Thinking Fast and Slow

Comentários e um resuminho sobre o livro

O livro é interessante e descreve influências em nosso comportamento que sequer imaginamos, justificando com exemplos alicerçados em pesquisas científicas. Muitos dos experimentos descritos são curiosos e têm resultados surpreendentes, ao menos para não psicólogos.

O texto explora a forma humana de pensar, analisar e decidir com base nos dois processos relativamente independentes e mostra o quão irracionais somos na maioria das análises casuais e nas decisões do dia a dia, explicando os mecanismos psicológicos e evolutivos que levam o ser humano a se comportar com pouca racionalidade.

O autor descreve nossa vida mental pela metáfora de dois agentes, chamados Sistema 1 e Sistema 2, que respectivamente produzem os pensamentos rápido e lento.

O Sistema 1 opera de forma automática e rápida, com pouco ou nenhum esforço e nenhuma sensação de controle voluntário.

O Sistema 2 atribui atenção às atividades mentais complexas que a exigem, incluindo cálculos complexos.  As operações do Sistema 2 são frequentemente associadas à experiência subjetiva de escolha e concentração.

O Sistema 1 responde mais fortemente às perdas do que aos ganhos (aversão à perda), o que explica muitas decisões pouco racionais. Enquanto a estatística exige pensar em muitas coisas ao mesmo tempo, algo que o Sistema 1 não foi projetado para fazer.

Alguns destaques:

  • Você dispõe de um orçamento limitado de atenção que pode alocar às atividades. Isso influencia as análises e as decisões.
  • As pupilas são indicadores sensíveis de esforço mental – dilatam-se substancialmente quando as pessoas multiplicam números de dois dígitos e dilatam-se mais se os problemas forem ainda mais difíceis.
  • Uma compreensão mais profunda de julgamentos e escolhas requer um vocabulário mais rico do que o disponível na linguagem cotidiana.
  • A essência das heurísticas intuitivas é que, quando nos deparamos com uma pergunta difícil, geralmente respondemos à outra mais fácil, geralmente sem perceber a substituição.
  • Prestamos mais atenção ao conteúdo das mensagens do que às informações sobre sua confiabilidade e, como resultado, terminamos com uma visão do mundo ao nosso redor que é mais simples e mais coerente do que os dados justificam.
  • Além do nível de renda de saciedade, você pode comprar experiências mais prazerosas, mas perderá parte de sua capacidade de aproveitar as mais baratas!
  • Na prática as pessoas não aprendem nada com meras estatísticas. Um ou dois casos individuais representativos, para influenciar o Sistema 1, são mais eficazes.
  • Empresas com CEOs premiados posteriormente apresentam desempenho inferior, tanto no valor das ações quanto no desempenho operacional. Ao mesmo tempo, a remuneração do CEO aumenta, os CEOs passam mais tempo em atividades fora da empresa – como escrever livros e participar de conselhos externos – e são mais propensos a se envolver no gerenciamento de resultados.
  • Em suas decisões, as pessoas superestimam as probabilidades de eventos improváveis e exageram as chances de ocorrer eventos improváveis
  • Conforme previsto pelo chamado mecanismo de “negligência do denominador” eventos de baixa probabilidade são muito mais ponderados quando descritos em termos de frequências relativas (quantas) do que quando declarados em termos mais abstratos de “chances”, “risco” ou “probabilidade” (qual a probabilidade). Por exemplo, se querem que as pessoas se preocupem com o risco, o descrevem como 1 morte por 1.000, ao invés de 0,1%.
  • A assimetria no risco de arrependimento favorece escolhas convencionais e avessas ao risco.
  • Os dois “eus” são o eu da experiência, que vive a vida, e o eu da lembrança, que registra os pontos e faz as escolhas. O segundo influencia mais as decisões que tomamos.
  • Uma linguagem mais rica é essencial para a habilidade de crítica construtiva.

Um caso representativo da lógica.

Considere dois proprietários de automóveis que buscam reduzir seus custos:

Adam muda de um bebedor de gasolina de 12 mpg (milhas por galão) para um bebedor ligeiramente menos voraz que funciona a 14 mpg.

A ambientalmente virtuosa Beth muda de um de um carro de 30 mpg para um que consegue 40 mpg.

Suponha que os dois motoristas viajem distâncias iguais ao longo de um ano. Quem vai economizar mais gasolina com a troca do veículo? Você quase certamente compartilha da intuição generalizada de que a ação de Beth é mais significativa do que a de Adam: ela reduziu o mpg em 10 milhas em vez de 2, e em um terço (de 30 para 40) em vez de um sexto (de 12 para 14). Agora envolva seu Sistema 2 e resolva-o. Se os dois proprietários de carros dirigirem 10.000 milhas, Adam reduzirá seu consumo de escandalosos 833 galões para ainda chocantes 714 galões, com uma economia de 119 galões. O uso de combustível de Beth cairá de 333 galões para 250, economizando apenas 83 galões. O quadro de mpg está errado e deve ser substituído pelo quadro de galões por milha (ou litros por 100 quilômetros, que é usado na maioria dos outros países). As intuições enganosas fomentadas pela estrutura do mpg provavelmente enganarão os formuladores de políticas, bem como os compradores de automóveis.

Uma leitura recomendada para todos, mas especialmente para jornalistas e outros profissionais da comunicação, que têm responsabilidade por entender e transmitir informações.

Nossa reconfortante convic̤̣o de que o mundo faz sentido repousa sobre uma base segura: nossa capacidade quase ilimitada de ignorar nossa ignor̢ncia. РDaniel Kahneman

O Significado de Tudo РPensamentos de um cidaḍo-cientista

Uma interpretação filosófica e bem fundamentada da ciência.

Comentários sobre o livro

O livro apresenta uma série de três palestras proferidas pelo Dr. Richard Feynman, em abril de 1963,  na Universidade de Washington (Seattle).

O livro tem 3 partes. A primeira é uma ótima introdução à filosofia da ciência.

Na segunda ele comenta as relações entre a ciência e a religião e entre a ciência e a política, com ênfase na liberdade de pensamento e expressão.

Na terceira parte ele retorna com uma belíssima aula sobre a filosofia da ciência, um texto que faria muito bem a todas as pessoas, especialmente aos jornalistas, que têm a responsabilidade de interpretar e comunicar fatos para o público.

Alguns trechos selecionados e que merecem reflexão:

  • Existem grandes ideias desenvolvidas na história do homem, e essas ideias não duram a menos que sejam passadas propositalmente e claramente de geração em geração.
  • O conhecimento não tem valor real se tudo o que você pode me dizer é o que aconteceu ontem.
  • Todo conhecimento científico é incerto.
  • A taxa de desenvolvimento da ciência não é a taxa em que você faz observações apenas, mas, muito mais importante, a taxa em que você cria coisas novas para testar.
  • Não há lógica em calcular a probabilidade ou a chance de que algo aconteça depois que aconteceu.
  • Ninguém entende o mundo em que estamos, mas algumas pessoas entendem mais que as outras.
  • A cada homem é dada a chave dos portões do céu.  A mesma chave abre as portas do inferno. – Referindo-se ao uso da tecnologia para o bem ou para o mal.
  • Existem várias técnicas especiais associadas à prática de fazer observações, e muito do que é chamado de filosofia da ciência se preocupa com a discussão dessas técnicas.
  • Todos os outros aspectos e características da ciência podem ser entendidos diretamente quando entendemos que a observação é o julgamento final de uma ideia.
  • Na ciência, não há interesse nos antecedentes do autor de uma ideia ou em seu motivo para defendê-la.
  • A exceção testa a regra. Esse é o princípio da ciência.  Se houver uma exceção a qualquer regra, e se isso puder ser provado por observação, essa regra está errada.
  • É surpreendente que as pessoas não acreditem que haja imaginação na ciência. É um tipo de imaginação muito interessante, ao contrário da do artista. A grande dificuldade é tentar imaginar algo que você nunca viu, que seja consistente em todos os detalhes com o que já foi visto, e que seja diferente do que foi pensado; além disso, deve ser definitiva e não uma proposição vaga. Isso é realmente difícil.
  • Repórteres e comentaristas de jornais – há um grande número deles que presumem que o público é mais estúpido do que eles, que o público não consegue entender coisas que eles [os repórteres e os comentaristas] não conseguem entender. – Richard Feynman

A nota do editor encerra com a mensagem: “Ouro puro, poesia pura, Feynman puro”. É verdade, também em minha pouco importante opinião. Ler os livros do Feynman é prazeroso como conversar com alguém inteligente.

O livro

Feynman, Richard.  O Significado de Tudo: Pensamentos de um cidadão-cientista (The meaning of it all). Perseus Books. Reading, Massachusetts. 1998.