Thinking Fast and Slow

Comentários e um resuminho sobre o livro

O livro é interessante e descreve influências em nosso comportamento que sequer imaginamos, justificando com exemplos alicerçados em pesquisas científicas. Muitos dos experimentos descritos são curiosos e têm resultados surpreendentes, ao menos para não psicólogos.

O texto explora a forma humana de pensar, analisar e decidir com base nos dois processos relativamente independentes e mostra o quão irracionais somos na maioria das análises casuais e nas decisões do dia a dia, explicando os mecanismos psicológicos e evolutivos que levam o ser humano a se comportar com pouca racionalidade.

O autor descreve nossa vida mental pela metáfora de dois agentes, chamados Sistema 1 e Sistema 2, que respectivamente produzem os pensamentos rápido e lento.

O Sistema 1 opera de forma automática e rápida, com pouco ou nenhum esforço e nenhuma sensação de controle voluntário.

O Sistema 2 atribui atenção às atividades mentais complexas que a exigem, incluindo cálculos complexos.  As operações do Sistema 2 são frequentemente associadas à experiência subjetiva de escolha e concentração.

O Sistema 1 responde mais fortemente às perdas do que aos ganhos (aversão à perda), o que explica muitas decisões pouco racionais. Enquanto a estatística exige pensar em muitas coisas ao mesmo tempo, algo que o Sistema 1 não foi projetado para fazer.

Alguns destaques:

  • Você dispõe de um orçamento limitado de atenção que pode alocar às atividades. Isso influencia as análises e as decisões.
  • As pupilas são indicadores sensíveis de esforço mental – dilatam-se substancialmente quando as pessoas multiplicam números de dois dígitos e dilatam-se mais se os problemas forem ainda mais difíceis.
  • Uma compreensão mais profunda de julgamentos e escolhas requer um vocabulário mais rico do que o disponível na linguagem cotidiana.
  • A essência das heurísticas intuitivas é que, quando nos deparamos com uma pergunta difícil, geralmente respondemos à outra mais fácil, geralmente sem perceber a substituição.
  • Prestamos mais atenção ao conteúdo das mensagens do que às informações sobre sua confiabilidade e, como resultado, terminamos com uma visão do mundo ao nosso redor que é mais simples e mais coerente do que os dados justificam.
  • Além do nível de renda de saciedade, você pode comprar experiências mais prazerosas, mas perderá parte de sua capacidade de aproveitar as mais baratas!
  • Na prática as pessoas não aprendem nada com meras estatísticas. Um ou dois casos individuais representativos, para influenciar o Sistema 1, são mais eficazes.
  • Empresas com CEOs premiados posteriormente apresentam desempenho inferior, tanto no valor das ações quanto no desempenho operacional. Ao mesmo tempo, a remuneração do CEO aumenta, os CEOs passam mais tempo em atividades fora da empresa – como escrever livros e participar de conselhos externos – e são mais propensos a se envolver no gerenciamento de resultados.
  • Em suas decisões, as pessoas superestimam as probabilidades de eventos improváveis e exageram as chances de ocorrer eventos improváveis
  • Conforme previsto pelo chamado mecanismo de “negligência do denominador” eventos de baixa probabilidade são muito mais ponderados quando descritos em termos de frequências relativas (quantas) do que quando declarados em termos mais abstratos de “chances”, “risco” ou “probabilidade” (qual a probabilidade). Por exemplo, se querem que as pessoas se preocupem com o risco, o descrevem como 1 morte por 1.000, ao invés de 0,1%.
  • A assimetria no risco de arrependimento favorece escolhas convencionais e avessas ao risco.
  • Os dois “eus” são o eu da experiência, que vive a vida, e o eu da lembrança, que registra os pontos e faz as escolhas. O segundo influencia mais as decisões que tomamos.
  • Uma linguagem mais rica é essencial para a habilidade de crítica construtiva.

Um caso representativo da lógica.

Considere dois proprietários de automóveis que buscam reduzir seus custos:

Adam muda de um bebedor de gasolina de 12 mpg (milhas por galão) para um bebedor ligeiramente menos voraz que funciona a 14 mpg.

A ambientalmente virtuosa Beth muda de um de um carro de 30 mpg para um que consegue 40 mpg.

Suponha que os dois motoristas viajem distâncias iguais ao longo de um ano. Quem vai economizar mais gasolina com a troca do veículo? Você quase certamente compartilha da intuição generalizada de que a ação de Beth é mais significativa do que a de Adam: ela reduziu o mpg em 10 milhas em vez de 2, e em um terço (de 30 para 40) em vez de um sexto (de 12 para 14). Agora envolva seu Sistema 2 e resolva-o. Se os dois proprietários de carros dirigirem 10.000 milhas, Adam reduzirá seu consumo de escandalosos 833 galões para ainda chocantes 714 galões, com uma economia de 119 galões. O uso de combustível de Beth cairá de 333 galões para 250, economizando apenas 83 galões. O quadro de mpg está errado e deve ser substituído pelo quadro de galões por milha (ou litros por 100 quilômetros, que é usado na maioria dos outros países). As intuições enganosas fomentadas pela estrutura do mpg provavelmente enganarão os formuladores de políticas, bem como os compradores de automóveis.

Uma leitura recomendada para todos, mas especialmente para jornalistas e outros profissionais da comunicação, que têm responsabilidade por entender e transmitir informações.

Nossa reconfortante convicção de que o mundo faz sentido repousa sobre uma base segura: nossa capacidade quase ilimitada de ignorar nossa ignorância. – Daniel Kahneman

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Please leave these two fields as-is:

Protected by Invisible Defender. Showed 403 to 184.533 bad guys.