Má avaliação

Imagem: Gerd Altmann from Pixabay 

Um exemplo de medição de desempenho mal feita é aquela usada para avaliar a satisfação no atendimento telefônico de muitas organizações. No final, quando questionados para dar uma nota, não sabemos se estamos avaliando o atendimento (solução para o problema que gerou o contato) ou para a simpatia, educação e esforço da atendente em solucionar o problema.

Óbvio que algumas pessoas interpretarão de um modo e outras do outro; em consequência, o resultado da pesquisa é absolutamente inútil para a gestão.

Isso ocorre em tua organização?

Beautiful Evidence – Comentários sobre o livro

Capa do livro Beautiful Evidence

Edward Tufte é um estatístico famoso pelos trabalhos relacionados à visualização dos dados. Neste livro, de 2006, ele analisa alguns documentos, mapas, fotos, obras de arte, livros antigos – um de Galileu e outro de Newton – e até manuais policiais e relatórios de investigação de acidentes da NASA, em relação à capacidade de comunicar informações, tomando por base os Princípios do Design Analítico.

Os Princípios do Design Analítico são:

  1. Mostre comparações, contrastes e diferenças.
  2. Causas, mecanismos, estruturas e explicações.
  3. Análise multivariada.
  4. Completa integração de palavras, números, imagens e diagramas. As tabelas com números devem estar integradas ao corpo do relatório e não colocadas com anexos. Tabelas, gráficos e imagens devem estar acompanhados de textos explicativos.
  5. Documentação. Inclui as informações de autor, fontes dos dados, escalas, etc. que dão credibilidade às informações apresentadas. Ele recomenda que os trabalhos, ou as partes deles, tenham os autores identificados; não são empresas ou departamentos que produzem as coisas. Os créditos dão responsabilidade e facilitam os esclarecimentos.
  6. O mais importante é a qualidade, relevância e integridade do conteúdo. Para atender esse requisito devemos responder quais são as tarefas de raciocínio que o conteúdo se propõe a ajudar

Ele mostra exemplos de situações em que uma mesma imagem é repetida em diversas páginas de um livro, para que o leitor tenha acesso ao texto e a imagem ao mesmo tempo, facilitando o entendimento. Uma prática que ele recomenda.

Ele enfatiza que “rótulos” são dados e, portanto, podem ser úteis na área de dados de um gráfico ou figura. Mas, para evitar que a poluição atrapalhe a observação dos pontos ou das curvas de dados, pode-se destacar os pontos ou a curva com uma cor mais chamativa. Uma técnica bem sucedida nos mapas cartográficos.

Ele brinca que, ao consumirmos informações, devemos manter a mente aberta, mas não uma cabeça vazia. Também dedica um capítulo inteiro às apresentações, mostrando as inconveniências dos slides e oferecendo orientações. Ele enfatiza que apresentações Power Point não devem substituir relatórios técnicos convencionais, onde as relações de causa e efeito e as explicações são mais claras.

Os estudos controlados são prospectivos: uma possível rejeição causa-efeito é identificada, uma intervenção feita, resultados futuros observados. Em contraste, as evidências de muitos fenômenos – clima, política, geologia, economia, história da arte, negócios – vêm em grande parte de observações retrospectivas e não experimentais. Em tais estudos posteriores, pesquisadores e apresentadores têm muitas oportunidades de decidir o que conta como evidência relevante, que também são oportunidades excelentes para escolher a dedo o que é conveniente.

Listas apresentam apenas três relações lógicas:

  • Temporal (primeira, segunda, etc.)
  • Importância (mais importante, segunda mais importante, etc.)
  • Itens relacionados de algum modo; mas não especifica como.

As análises de indicadores estão, de algum modo, associadas às relações de causa e efeito.

Os princípios do design analítico derivam dos princípios do pensamento analítico. – Edward Tufte

O livro

Tufte, Edward R. Beautiful Evidence. Graphic Press LLC. USA. 2006.

Tom Peters Seminar – Crazy times call for crazy organizations

Comentários sobre o livro

Levando ao extremo o momento em que vivemos e que exige das organizações versatilidade e flexibilidade, Tom Peters, com o espírito revolucionário que o caracteriza tão bem, faz uma analogia entre como deveriam ser os organogramas das empresas e a famosa pintura “Autumn Rhythm“, do Jackson Pollock.

Mas o recado não é de buscar desorganização, apenas não deixar que o formal se superponha à necessidade de flexibilidade e liberdade para fazer as coisas acontecerem. Assim, ele ajuda a lembrar que o organograma não é a organização, mas uma ferramenta de gestão que deve ser usada e alterada para atender à missão.

O livro

PETERS, Thomas J. The Tom Peters Seminar: crazy times call for crazy organizations. 1ª ed. New York: Vintage Books, 1994. 

Medindo e promovendo a inovação – II

O Radar da Inovação, desenvolvido pela Bachmann & Associados para uso pelo SEBRAE no Projeto ALI, permite mensurar a inovação em 13 dimensões do negócio.

Mas, além de permitir avaliar o efeito das ações tomadas para tornar a empresa mais inovadora, olhar cada dimensão separadamente permite identificar oportunidades que, de outro modo, poderiam passar despercebidas. Isso acontece porque temos uma tendência em inovar essencialmente em poucos aspectos como produto e processo de produção. Entretanto o número de possibilidades é muito maior.

Para servir de inspiração, desenvolvemos para o SEBRAE um Guia para a Inovação [1], que está disponível para download gratuito na Biblioteca Iterativa SEBRAE. Leia e descubra novas formas de aprimorar teu negócio.

Se você quer inovar, tem de criar. Marty Neumeier

Referência:

1. Bachmann. Dórian L. Guia para a Inovação: Instrumento de orientação de ações para melhoria das dimensões da Inovação. SEBRAE-PR. Curtitiba PR. Disponível em: https://bis.sebrae.com.br/bis/conteudoPublicacao.zhtml?id=5624. Acesso em 30.09.20.

Medindo e promovendo a inovação – I

Radar da Inovação

Existe uma grande variedade de indicadores de inovação, mas a maioria das métricas se aplica exclusivamente às grandes empresas. Por exemplo: Número de patentes, números de doutores na equipe, percentual do faturamento com novos produtos, etc. Mas, como podemos medir, e ao mesmo tempo encontrar oportunidades para inovar nos pequenos e médios negócios?

Para avaliar o progresso das empresas ao longo do caminho para se tornarem inovadoras sistêmicas, e também para identificar oportunidades para a inovação, o SEBRAE usa uma metodologia denominada Radar da Inovação [1].

O Radar, baseado no trabalho do professor Mohanbir Sawhney, diretor do Center for Research in Technology & Innovation, da Kellogg School of Management [2, 3] observa quatro dimensões principais:

  1. As ofertas criadas.
  2. Os clientes atendidos.
  3. Os processos empregados.
  4. Os locais de presença.

Entre essas, o professor Shawhney aponta mais oito dimensões também importantes.

Na metodologia desenvolvida para o SEBRAE foi incluída, ainda, a dimensão “Ambiência inovadora”, já que um clima organizacional propício à inovação é requisito para uma empresa inovadora.

A medida de cada uma dessas dimensões oferece uma visão multifacetada do negócio e aponta aspectos para a inovação.

“O sistema de medição por si só não torna a empresa mais inovadora, mas cria as bases para a gestão da inovação”.

Maximiliano Carlomagno, consultor do blog 3M Inovação

Na parte II, veja uma referência com ideias para inovar em cada uma das dimensões do Radar.

Referências:

1. BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Metodologia para Estimar o Grau de Inovação nas MPEs: Cultura do Empreendedorismo e Inovação. In: XVIII SEMINÁRIO NACIONAL DE PARQUES TECNOLÓGICOS E INCUBADORAS DE EMPRESAS, Aracaju, SE, Brasil. Anais… Aracaju/SE: 22 a 26 de setembro de 2008. Disponível em: https://www.dropbox.com/s/rmiew3xo9lj22o3/Artigo%20Grau%20de%20Inova%C3%A7%C3%A3o%20nas%20MPE1.pdf?dl=0 Acesso em 29.09.20.

2. Sawhney, Mohanbir. Wolcott, Robert C. and Arroniz, Inigo. The 12 Different Ways for Companies to Innovate. MIT Sloan Management Review (Spring 2006). pp. 75-81. Disponível em: http://emotrab.ufba.br/wp-content/uploads/2019/06/SAWHNEY-Mohanbir-The-12-Different-ways-for-companies-to-innovate.pdf. Acesso em: 29 set. 2020.

3. HSM Management. As 12 dimensões da inovação. Vol.1. Jan/fev.2007. pp.104-112.

Indicadores para a Economia Circular

Os indicadores para a avaliação do progresso das empresas na adoção da Economia Circular geralmente cobrem os seguintes aspectos*:

  • Quantidade de resíduos gerados.
  • Quantidade de resíduos enviados para descarte.
  • Percentual de recicláveis usados como matéria prima.
  • Percentual de recicláveis existente nos produtos.
  • Desperdícios.

Mas ainda não há uma padronização na forma de fazer essas medidas, o que reduz as possibilidades de comparações entre empresas (benchmarking) e a troca de experiências e boas práticas.

Mas, o que é a Economia Circular?

É um conceito baseado na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. É vista como uma forma de dissociar o crescimento econômico do aumento no consumo de recursos.

Nota: * – Informações fornecidas pelas representantes das empresas Posigraf, Amcor e KWM na live de 19.08.20 organizada pelo Sinpacel e mediada por Angela Finck.

Microstyle – The Art of Writing Little

Comentários sobre o livro

Escrito por Christopher Johnson, um linguista que trabalhou na Lexicon Branding, empresa que criou marcas como Pentium e Blackberry, orienta sobre como escrever textos curtos, objetivos e poderosos na comunicação de ideias. Para isso, criou o conceito do estilomicro (microstyle), que se refere às mensagens curtas, de apenas uma palavra, uma frase ou uma ou duas sentenças curtas.

O autor reconhece a mudança na comunicação do dia a dia, em que as redes sociais mudaram a forma de relacionamento e de troca de ideias. Agora prevalecem os textos curtos, não apenas no Twitter, que impôs o limite de comunicar ideias com menos de 140 caracteres, mas também no Facebook, no WhatsApp e em outros recursos modernos.

Segundo ele, a interação entre mensagem, mente e contexto é que faz o significado acontecer. Assim, o redator deve levar em conta todos esses aspectos. Para apresentar a estratégia do chamado microestilo, o livro conta com quatro seções: Significado, som, estrutura e contexto social.

Uma das melhores maneiras de tornar uma mensagem envolvente é fazer com que o seu leitor viva, não apenas pense no que é escrito. Afinal, vivemos situações. Para isso, uma técnica que ele recomenda é descrever uma situação em detalhes, ao invés de apenas contar. Por exemplo, não dizer apenas que o dia estava bonito, mas descrever a presença do sol, de árvores, flores, etc. para que o leitor conclua que o dia era bonito. Naturalmente, essa técnica – útil na escrita em geral, não se aplica diretamente nos microtextos.

Mas, para quem espera orientações objetivas e operacionais, o livro é decepcionante. Vários exemplos, especialmente slogans de empresas, são repetidos e outros exigem alguma cultura americana para o correto entendimento.

Não espere para breve uma tradução do livro, pois é um desafio e tanto. Muitos exemplos se referem a produtos e situações típicas americanas. Pior, vários exemplos relacionados ao uso de sons são apresentados por meio de palavras em inglês, tornando a tradução do texto uma tarefa hercúlea.

Leia um trecho selecionado

How do you pack a lot of meaning into a little message? You don’t. That’s the first lesson of microstyle. A message isn’t a treasure chest full of meaning. It’s more like a key that opens doors. A message starts a mental journey, and meaning is the destination. A successful message sends people in the right direction but allows them to use their wits and the cues provided by context to get there. Keeping this in mind makes you think about how your message fits into a larger picture and points to ideas without expressing them directly. The interaction of message, mind, and context makes meaning happen”.

O livro

Johnson, Christopher. Microstyle; The art of writing little. W. W. Norton & Company. New York. 1 Ed. 2011. (Em inglês)

Na análise dos dados, contexto é fundamental

Foto de quebra cabecas em que estea zendo colocada uma peça diferente.

Ao analisar dados devemos levar em conta os números mas, também, o contexto em que eles foram colhidos e as características dos processos e das pessoas que serão impactadas pelo resultado da análise. Devemos buscar uma visão abrangente, incluindo aspectos técnicos, humanos e, por vezes, até políticos. Um alerta sábio sobre os cuidados que devemos ter nas análises foi dado pelo general Donald Rumsfeld.

Existem conhecidos conhecidos. Estas são coisas que sabemos que sabemos. Existem desconhecidos conhecidos. Ou seja, há coisas que sabemos que não sabemos. Mas também há desconhecidos desconhecidos. Coisas que não sabemos que não sabemos. – Donald Rumsfeld

Dois exemplos. Uma rotatividade de 50% em uma equipe de 4 pessoas é diferente do mesmo resultado em um time de 150. Enquanto no primeiro caso uma situação fortuita pode ter definido o resultado, no segundo está bem clara a existência de um problema estrutural.

Quando o repórter da TV, nas tradicionais reportagens de comparação de preço de materiais escolares feitas no início de cada ano letivo, lança a manchete “Materiais escolares têm mais de 200% de diferença de preço entre lojas”, ele não comenta que isso acontece com as borrachas e lápis, que têm um custo unitário muito baixo. Assim, se em um lugar custa R$1,00 e em outro R$2,50, ele aponta a variação de 250%. É claro que isso raramente acontece na mesma proporção em produtos de maior custo.

Portanto, quem analisa dados tem a obrigação de considerar e referenciar o contexto, de modo a apresentar conclusões consistentes e com credibilidade.

Com o Big Data a estatística pode ser ainda mais perigosa

Image by Tumisu from Pixabay

Chris Anderson – famoso pelo seu livro “A Cauda Longa: Do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho” – sugeriu que o uso do big data tornaria o método científico obsoleto [1]. Isso provavelmente não é verdade.

É incorreto gerar retrospectivamente hipóteses para se adequar aos padrões de dados que surgem após o término de um estudo. Essa prática é conhecida pelos estatísticos como “p-hacking” ou “data fishing” [2].

O epidemiologista John Ioannidis destacou esse ponto na área médica no artigo “Por que a maioria das descobertas de pesquisas publicadas é falsa” [3].

O argumento de Ioannidis é bem ilustrado pelo artigo “Consumo de chocolate, função cognitiva e ganhadores do Nobel” de Franz Messerli no New England Journal of Medicine [4]. O artigo relata “uma correlação linear significativa (r = 0,791, p <0,0001) entre o consumo de chocolate per capita e o número de ganhadores do Nobel por 10 milhões de pessoas em um total de 23 países. O texto especulou sobre os efeitos de alguns antioxidantes, encontrados no chocolate, na melhoria da capacidade de raciocínio.

O artigo, que pretendia ser uma paródia da temporada de prêmios Nobel, foi seriamente relatado nos principais meios de comunicação como, por exemplo, na Forbes [5]. Embora o artigo seja uma brincadeira, a correlação com elevada “significância estatística” é um fato real do conjunto de dados estudado pelo Dr. Messerli. Isso ilustra que os estudos de múltiplas correlações podem levar a resultados “significativos” em um sentido técnico, como sugerido por Chris Anderson, mas também podem ser enganosos ou sem sentido.

Assim, é interessante notar que a equipe internacional de físicos que anunciou a descoberta do bóson de Higgs, atenta ao problema de múltiplas comparações, usou um limiar extremamente baixo do valor de p “cinco-sigma” (<0,000001) [6].

Referências:

1. Anderson, Chris. The End of Theory: The data deluge makes the scientific method obsolete. Disponível em: http://www.wired.com/science/discoveries/magazine/16-07/pb_theory. Acesso em 18.04.20.

2. Tang, Jane,  Misusing Statistical Significance Tests Can End Your Career: A Cautionary Tale. https://marumatchbox.com/blog/misusing-statistical-significance-tests-can-end-your-career-a-cautionary-tale/ Acesso em 18.04.20.

3. Ioannidis, John. Why Most Published Research Findings Are False. 2005. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1182327/. Acesso em 17.04.20.

4. Messerl. Franz H. i, Chocolate Consumption, Cognitive Function, and Nobel Laureates. The New England Journal of Medicine. 18.10.12. Disponível em http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMon1211064. Acesso em 17.04.20.

5. Husten, Larry. Chocolate And Nobel Prizes Linked In Study. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/larryhusten/2012/10/10/chocolate-and-nobel-prizes-linked-in-study/#33a8e4c91dd1 Acesso em 18.04.20.

6. Wasserman, Larry. The Higgs Boson and the p-value Police. Disponível em: http://normaldeviate.wordpress.com/2012/07/11/the-higgs-boson-and-the-p-value-police/. Acesso em 28.07.20.

60 Dias em Harvard – Comentários sobre o livro

O autor, Allan Costa – bastante conhecido dos paranaenses por ter sido superintendente do SEBRAE/PR e diretor presidente do CELEPAR – descreve sua experiência de 60 dias em um programa intensivo de educação executiva voltado a profissionais que ocupam cargos de alta gerência (presidência, diretoria) em grandes organizações, na mais famosa universidade do mundo na área de gestão.

O programa adota como metodologia o estudo de casos e uma das coisas mais interessantes do livro são os resumos feitos pelo autor da maioria dos casos estudados, enriquecidos com bem-humoradas opiniões pessoais.

Ele também comenta sobre alguns professores, como Kaplan, Porter e outros bastante famosos.

Uma leitura útil e agradável para gestores e para quem já fez ou deseja fazer um MBA. Particularmente interessante para quem, como eu, já fez um MBA baseado em estudo de casos (COPPEAD). Recomendo.

O livro: Costa, Allan. 60 dias em Harvard. eBook Kindle. Amazon 2017.

Serviço: O livro está disponível nas versões impressa e para download em https://www.amazon.com.br/60-Dias-Harvard-ALLAN-COSTA/dp/8558490619