Uma medida fora do convencional

O Brasil já tem quem use sorriso como métrica de desempenho. A empresa Seed instalou detectores atrás do caixa em 20 lojas de uma rede de fast-food. Após 30 dias, descobriu que 8% das pessoas estavam sorrindo ao terminar a compra. Os diretores do fast-food estabeleceram uma meta: melhorar esse índice para 15% nos 30 dias seguintes. Passados 20 dias, o número já tinha subido para 40%. “Os gestores disseram que já existe uma diferença em faturamento e, principalmente, no número de clientes que está voltando para comer lá”, afirma Francisco Forbes, fundador da Seed.

Fonte: Época Negócios. Nov. 2014. p. 25.

Desfazem-se os mitos

Com base em pesquisas, Robert Levering, fundador do GPTW, definiu que um bom lugar para trabalhar tem, para a maioria das pessoas, três aspectos-chave:

  • Uma boa relação de confiança com seu chefe imediato.
  • Bom relacionamento com os colegas; acreditam que estão em um ambiente colaborativo, com um bom clima.
  • Orgulho do que fazem, ou seja, veem significado em seu trabalho e se identificam com a organização.

Ruy Shiozawa também desfaz outro mito: “As mais bem classificadas não são as empresas onde as pessoas trabalham pouco, e sim as que têm metas e processos rigorosos. Sabe por quê? As pessoas se sentem mais comprometidas quando percebem que há rigor na empresa”.

Fonte: Revista HSM Management. Maio-junho 2012. p. 126.

Melhores empresas para trabalhar – 2013

Melhores de 2013 – Confira a lista das empresas e as categorias em que se destacaram

Acesso Digital Qualidade de vida | Celebração| Melhor RH – empresas médias e pequenas (nacionais) | Camaradagem
Alcoa Práticas para mulheres
Caterpillar Comunicação
Elektro Educação | Benefícios | Melhor RH – grandes empresas | Respeito
Gazin Missão, visão e valores
Google Cuidar | Melhor RH – empresas médias e pequenas (multinacionais)
Kimberly-Clark Envolvimento e novas ideias
Laboratório Sabin Compartilhar | Remuneração
McDonald’s Práticas para jovens
Radix Hospitalidade
Rota do Mar Credibilidade
Sama Orgulho
Saraiva de Rezende Imparcialidade
Thoughtworks Recrutamento e seleção
Zanzini Reconhecimento

Fonte: Revista Melhor: gestão de pessoas. Outubro 2013. p. 54.

Retenção pós-maternidade

A Ernst & Young adota um indicador denominado “Retenção após licença-maternidade”. A taxa de retenção (retorno), considerando apenas a licença-maternidade, nos anos fiscais 2009, 2010 e 2011 foi de 100%. Podem ser negociadas jornadas de trabalho reduzidas, horários flexíveis ou trabalho remoto para o período de retorno de licença.

Fonte: Ernst & Young. Relatório de Sustentabilidade 2011.

www.ey.com.br/Publication/vwLUAssets/Relatório_de_Sustentabilidade_2011/$FILE/Relatorio_de_Sustentabilidade_Ernst_Young_Terco_2011.pdf Acesso em 23.07.13.

Melhores empresas para trabalhar

O levantamento das Melhores Empresas para Trabalhar, realizado anualmente pelo Instituto Great Place to Work, destacou as 20 empresas paranaenses de melhores resultados em 2013. Pela metodologia adotada, 67% da nota final de cada empresa participante vem das respostas dos funcionários.

Na pesquisa, os funcionários das empresas premiadas destacaram como pontos positivos: a oportunidade de crescimento (com 50% das citações), seguida da qualidade de vida (28%) e da remuneração e benefícios (16%).

As melhores empresas foram: Gazin, Pormade e Ecovia.

Fonte: www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1327434&tit=Gazin-lidera-de-novo-as-melhores-para-trabalhar Acesso em 8.07.13.

Medindo satisfação no trabalho

Os critérios usados para avaliar o grau de satisfação das pessoas com as organizações variam bastante, mas os itens seguintes, utilizados pelo Great Place to Work Institute e a Revista Exame são bastante representativos:

·      Remuneração

·      Benefícios

·      Treinamento e oportunidades de carreira

·      Segurança e confiança na gestão

·      Orgulho do trabalho e da empresa

·      Clareza e abertura na comunicação interna

·      Camaradagem no ambiente de trabalho

·      Responsabilidade social

Fonte: Guia Exame As 100 melhores empresas para você trabalhar, 2002.

Net Promoter Score – Uma visão rápida

O NPS (Net Promoter Score) foi apresentado ao mercado em 2003, em artigo publicado na revista Harvard Business Review. A metodologia parte do princípio de que, para identificar a lealdade dos clientes com clareza e rapidez, basta fazer uma única pergunta: “qual a probabilidade de você recomendar a companhia fornecedora para um amigo ou colega?” A partir das respostas dos clientes e da pontuação que dão para cada empresa é possível classificá-los em:

  • PROMOTORES

Divulgam a empresa fornecedora, estão satisfeitos com o produto ou serviço.

  • NEUTROS

Embora satisfeitos, não manifestam vontade em indicar a empresa.

  • DETRATORES

Insatisfeitos, são uma verdadeira ameaça em função da propaganda boca a boca negativa.

O NPS de uma empresa é determinado pela diferença entre os Promotores e os Detratores.

Fonte: Revista Prêmio Fornecedores de Confiança 2011. Ed. Segmento. Pp. 6-9.

Uma medida da felicidade

Na gestão dos recursos humanos, é conveniente saber que a geração de expectativas influencia significativamente o clima organizacional. Não podemos, com facilidade, oferecer muitos benefícios, mas podemos gerenciar a criação de expectativas não realistas por meio de uma comunicação transparente e honesta. Isto pode ser melhor compreendido por meio da “equação da felicidade”, apresentada por Chip Conley [1] .  Ele explica que a felicidade é maior quando as pessoas “desejam aquilo que têm” e menor quando as pessoas buscam “ter aquilo que desejam”. Assim:

Felicidade = Desejar o que tem

.                    Ter o que deseja

[1] – Ver www.ted.com/talks/podtv/id/889.

A Equação da Felicidade

Na gestão dos recursos humanos, é conveniente saber que a geração de expectativas influencia significativamente o clima organizacional. Não podemos, com facilidade, oferecer muitos benefícios, mas podemos gerenciar a criação de expectativas não realistas, por meio de uma comunicação transparente e honesta.

Isto pode ser melhor compreendido por meio da “equação da felicidade”, apresentada por Chip Conley em palestra (http://www.ted.com/talks/podtv/id/889). Ele explica que a felicidade é maior quando as pessoas “desejam aquilo que têm” e menor quando as pessoas buscam “ter aquilo que desejam”. Assim:

Felicidade = Desejar o que tem / Ter o que deseja

Absenteísmo na Marisol

A Marisol Nordeste, fábrica de confecções do Ceará, gasta R$48 mil por ano em ações culturais para seus 1.850 funcionários. Segundo Erielto Gadelha, coordenador de RH da empresa, os funcionários que participam de atividades musicais ou culturais destacam-se pela atuação e integração e têm absenteísmo inferior a 1%, ante uma média de 2,5%.

Fonte: Revista HSM Management. Especial Brasil: Presença que dá certo. março. 2011. pg.110.