Segurança diminue rotatividade

Uma ação da Elektro para prevenir acidentes no ambiente de trabalho é o programa Observação de Segurança, que estimula a identificação de riscos e propõe aperfeiçoamentos, através de formulário impresso ou eletrônico. Segundo a empresa, os próprios colaboradores acompanham o comportamento diário de seus colegas e verificam se a atividade está sendo executada de maneira correta. Com as ações, a empresa reduziu o índice de acidentes com afastamento entre 2010 e 2011 em 40% e vem diminuindo ano a ano a rotatividade dos colaboradores, chegando a 10% em 2011.

Fonte: Revista Melhor – Gestão de Pessoas. Ano 20, Nº 298.  p. 52.

Gestão permanente de SST reduz alíquota do SAT

A metodologia de cálculo da alíquota do Seguro Acidente de Trabalho (SAT), que em 2011 estará em seu segundo ano de vigência, permite a redução da alíquota das empresas com bom desempenho em saúde e segurança no trabalho e pune com aumento as que não têm bom desempenho.

A alíquota que cada empresa pagará em 2011 foi definida a partir do FAP (Fator Acidentário Previdenciário), publicado em setembro em 2010. Muitas empresas estão questionando, junto à Previdência, a alíquota que lhe foi atribuída. Mas não basta o questionamento. É preciso que a empresa tenha uma gestão da segurança e saúde do trabalho permanente e com metas bem claras visando o “desempenho ideal”.

O desempenho no ano de 2011 influenciará o cálculo do imposto para 2013 e 2014. Por isso, é importante uma melhoria de desempenho imediata. Confira dicas de consultores do Sesi:

  • Monitorar os afastamentos junto à Previdência Social;
  • Conhecer as doenças que integram a lista de nexo direto da Previdência para o setor da indústria (NTEP);
  • Conhecer o motivo pelo qual sua empresa mais afasta trabalhadores;
  • Possuir indicadores de acidentes de trabalho e atacar as causas frequentes;
  • Integrar a Segurança e Saúde e a área de RH da empresa;
  • Possuir bem elaborados programas de gestão, como o PPRA e o PCMSO. Eles devem conter metas especificas para a indústria.

Fonte: Saúde e Segurança na empresa. Ano 03, n° 22 novembro/ dezembro 2010 Sesi-PR.

Publicado o “Benchmarking de Segurança do Trabalho na Cadeia Produtiva do Papel 2009”

O relatório, realizado com a Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel ABTCP, compara os resultados de 6 indicadores de segurança:

  • Taxa de Frequência de Acidentes com Afastamento – TFCA
  • Taxa de Frequência de Acidentes sem Afastamento – TFSA
  • Taxa de Gravidade – TG
  • Taxa de Acidentes Fatais – TAF
  • Taxa de Acidentes por Milhão de Toneladas de produto – TAMIL
  • Acidentes por milhão de quilômetros rodados (no transporte de madeira) – APMKM

Com a participação de 82 unidades de produção, de 26 empresas, o trabalho oferece uma boa referência sobre a situação da segurança no setor e pode ser útil para apoiar o estabelecimento de metas e estratégias.

O relatório foi entregue gratuitamente às empresas participantes. Outras organizações podem obter o documento na ABTCP (11 3874-2709 viviane@abtcp.org.br).

As empresas que participaram dessa edição serão automaticamente convidadas para o novo levantamento. Outras organizações interessadas devem enviar um e-mail para indicadoresabtcp@bachmann.com.br.

Benchmarking de segurança na indústria de celulose

Levantamento de indicadores de segurança em fábricas de celulose, com dados de 2007, mostrou grande diversidade de resultados, com algumas empresas atingindo resultados classe mundial enquanto outras ainda tem elevados índices de acidentes. O trabalho também mostrou indícios de subnotificação. Um resumo dos resultados foi publicado na edição de setembro da revista O Papel.