Vale a pena usar indicadores ponderados?

Dar pesos aos diferentes fatores de um indicador é uma prática comum, mas pode ser inconveniente.

Em um indicador ponderado, cada fator ou parcela recebe um peso, ajustando o resultado às importâncias relativas entre esses fatores ou parcelas.

Porém a adoção de pesos para os diferentes fatores ou parcelas que compõe um indicador agregado [1] é uma ação subjetiva que insere informações adicionais no resultado. Como os pesos resultam da intuição, julgamento, experiência, cópia do que outros usam, características do líder ou compromissos políticos de quem projeta o indicador, etc., dificilmente reproduzem a situação real ou conseguem acompanhar as mudanças que ocorrem ao longo do tempo.

Na prática, isso dificulta a interpretação da métrica, pois na análise o usuário acaba tentando, intuitivamente, identificar os valores individuais e a importância de cada um dos componentes, para saber onde deve agir visando à melhoria do resultado.

Resumindo, o uso de pesos pode ser útil, mas na construção de indicadores agregados não é, em princípio, uma boa prática.

Na prática, o fator de ponderação é uma mistura de intuição, julgamento, experiência, benchmarking, características de liderança e compromisso político. – Lim Teik Han

Referência

1. Indicadores agregados – https://blog.bachmann.com.br/2023/06/indicadores-agregados/

Post de 30.03.20, atualizado em mai/24.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Please leave these two fields as-is:

Protected by Invisible Defender. Showed 403 to 187.346 bad guys.